20.10.07

Taxas máximas para Silves


PSD de Lagos exige redução "drástica" de impostos municipais (veja-se notícia, em 10.10.2006)
O PSD de Lagos exigiu esta segunda-feira uma redução "drástica" dos impostos municipais, propondo a aplicação das taxas mínimas do Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI) para repor a perda de poder de compra da população.
Em comunicado, os sociais-democratas realçam que "
os valores praticados actualmente são insuportáveis para a generalidade das pessoas" (...). A posição do PSD/Lagos surge duas semanas após a autarquia ter aprovado a redução do IMI para 0,35 por cento para os prédios urbanos avaliados e novos e 0,75 para os prédios que ainda não foram avaliados. (...) O PSD de Lagos acusa "o presidente de ser pelas taxas máximas, ao contrário das taxas médias praticadas pelos executivos social- democratas".
10 de Outubro de 2006 10:09 Lusa

Lagoa: Município baixa IMI para 0,4 por cento para desagravar carga fiscal da população (veja-se notícia)
O município algarvio de Lagoa vai baixar o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para 0,4 por cento a partir de 2008, como forma de desagravar a carga fiscal da população do concelho.
A taxa a aplicar sobre os prédios avaliados depois de 2003 (altura em que entrou em vigor o novo Código do IMI, que extinguiu a antiga Contribuição Autárquica) "
passará de 0,43 para 0,4 por cento", disse hoje à Lusa o presidente da Câmara Municipal de Lagoa, José Inácio (PSD). No caso das construções mais antigas, a taxa a aplicar irá manter-se nos 0,7 por cento."Apresentei a proposta de redução do IMI, por considerar que a população de Lagoa é já bastante penalizada pelos impostos governamentais", explicou o autarca. Segundo José Inácio, a redução da taxa do IMI, além de "desagravar a carga fiscal, pretende criar melhores condições de vida para a população e incentivar o crescimento económico do concelho".
20 de Outubro de 2007 11:27 Lusa
---------
Pois é, duas autarquias, numa o PSD em Oposição (Lagos), noutra no Poder (Lagoa). Em Lagos, no ano passado, a indignação perante os valores 0,35/0,75 propostos pelo PS, considerados demasiado elevados, propondo-se em contra-proposta as taxas mínimas; em Lagoa, aqui mesmo ao nosso lado, a proposta para este ano de 0,4/0,7 para o IMI, por se achar que a população já é bastante penalizada pelos impostos governamentais.

E em Silves, o que faz o PSD? Aplica as taxas médias praticadas pelos sociais-democratas, conforme garantiam os PSDs de Lagos? Qual quê! Este ano, como nos anteriores, a proposta que vem a reunião na próxima quarta-feira (dia 24) é para taxas máximas (0,5/0,8). Para as do IMI, como para as escandalosas taxas de atravessamento municipal (0,25). E assim se promove o desenvolvimento económico, a fixação de pessoas e a melhoria das condições de vida para as populações...
E depois levamos chorando que o governo não promove o desenvolvimento equilibrado das regiões, blá-blá... Pois é, se nem as próprias regiões/concelhos o promovem?! Entretanto, aqui mesmo ao nosso lado, Lagoa fica-se a rir, e vai engordando a sua população e os seus impostos municipais, ainda que a taxas inferiores. E logo este ano quando, ao contrário de Silves, nem saiu beneficiada com as transferências directas do Orçamento de Estado ou do PIDDAC!

Apetece perguntar: a que partido pertence este Executivo?

2 comentários:

JJJ disse...

Caro Manuel Ramos

O ano passado a taxa pela qual as finaças de Silves taxaram o património foi de 0,45 e 0,8.
No seu post refere 0,5 e 0,8 confirma-se?
Sendo assim existe um aumento da taxa.

Manuel Ramos disse...

Esta é a proposta da maioria, igual à do ano passado. Pode ser que, tal como ocorreu em 2006, ela venha a ser reduzida em reunião por iniciativa da Oposição camarária.