10.9.08

Reunião Extraordinária da Câmara Municipal - 11 de Setembro de 2008

A pedido da Oposição, realiza-se amanhã, uma reunião extraordinária da Câmara Municipal que tem como assunto principal a situação do Programa Polis na cidade de Silves.
Dirão alguns, do contra, que é mais do mesmo, que de nada adiantará, que a Oposição já não sabe o que fazer. Criticariam também, digo eu, se a Oposição não o fizesse, se não pedisse esclarecimentos ao Executivo permanente, não interpelasse, não pedisse explicações que há muito são devidas e não nos foram dadas por quem era devido, e que se revela tão prolixa sobre tantos outros assuntos: a Presidente da Câmara. Duas vezes adiado o fim do suplício a que deram nome Polis, duas vezes reacertado o relógio, este avariou de vez, abandonando-nos num percurso "límbico", entre a vida e a morte, em que se irão negociar sucessivamente o descartar de responsabilidades para cima de um ou outro dos responsáveis (são três: governo, município e gestão da sociedade). Quando há bem pouco tempo os moradores do centro histórico se dirigiam ao Município para reclamar do calamitoso estado das suas ruas (que se mantém, e serviu bem os propósitos da Feira Medieval), este reencaminhava-os para a Sociedade Polis; quando se dirigiam ao Polis, este devolvia-os ao dono da obra, o Município. O mesmo fazia a Presidente comigo quando a interpelava. Ainda há muito pouco tempo fiquei a saber, da sua boca, que as obras de reabilitação do centro histórico da cidade não são Polis, são obra da autarquia decorrentes de um acordo realizado com o ministério (DGOTDU). Os que lhe reeencaminharam (à autarquia) abaixo-assinados e reclamações durante todo este tempo, fiquem agora a saber. Mudam-se os tempos, baralham-se os responsáveis.
Uma coisa é certa, e não nos atirem mais areia para os olhos: do conjunto de obras prometidas por IS em 2001 como sendo Polis, estarão concluídas 7 anos passados (quase dois mandatos depois), pouco mais de 50%! Se a isto se chama uma boa taxa de concretização!, respondo eu que melhor teve hoje a selecção nacional ao marcar dois golos, e acabando perdendo o jogo!
Como nós aqui em Silves, que nem jogamos, só vemos jogar, e mal...

6 comentários:

Quim Zé disse...

Sr. Vereador, eu considero a Sr.ª Isabel Soares uma politica incompetente, mas, no caso da reabilitação do centro histórico de Silves, questiono: Será ela a responsável pelos achados arqueológicos que tanto conduzem à derrapagem dos prazos de conclusão das obras?!?

Manuel Ramos disse...

E o senhor ainda embarca nessa? Há quanto tempo não vê por lá escavações arqueológicas e, ainda assim, as obras continuam paradas? E o Museu da Arrochela? Teve as escavações arqueológicas que tinha que ter no tempo de Zé Viola, e lá está!E o Teatro e a Cruz, e o Fumeiro,tudo arqueologia...

Anónimo disse...

Como diria o cómico:

"Eu quero voltar pr'á ilha"

Já não há paciência para aturar tanta irresponsabilidade, incompetência, incoerência e falta de respeito.

Os factos estão à vista de toda a gente. Só não vê quem não quer ver.

Joaquim Santos disse...

Exº Senhores

Falam de arqueologia...

Então não é muito estranho aquando do polis ver os arqueólogos a escavar em zonas que já foi feito levantamentos arqueológicos?
Rua do museu municipal, aquando da Rua foi feito um levantamento exaustivo, e passado alguns anos foram fazer sondagens.
Será alguma coisa se alterou em 12 anos? Será que os arqueólogos que lá passaram foram incompetentes?
Agora era bom pensar quanto não se gastou. Se um arqueólogo levar por dia 150€. e se levaram a escavar nos sítios já intervencionados 30 dia dá 4500,00€, basta multiplicar agora por todo o pessoal e não esquecer que eles andaram por cá alguns messinhos.
Agora entendo o porque dos aumentos, com a anuência dos membros da Assembleia municipal, das taxas de IMI e outros.
Ou seja anda o pais a passar fome, pessoas a venderem os seus bens familiares, e depois os políticos aprovam estas coisas, permitem estas situações?
Anda os pobres políticos a dizer que e necessário credibilizar os sistema politico e os políticos...
Por favor, não digam nada assim não mentem...

Srº Vereador Manuel Ramos
O Srº acredita nos políticos?

Com os melhores cumprimentos

Joaquim Santos

Anónimo disse...

Caro Manuel Ramos!
Mais do que as obras por finalizar, mais do que relógios que deixam de funcionar e recomeçam segundo a vontade de IS, o que efectivamente me preocupa é a postura de absoluta falta de respeito pelos orgãos autárquicos, nomeadamente a falta de respeito pelos membros da oposição que a presidente de câmara demonstra .
A "toda-poderosa" IS deixará uma marca (e já lá vão quase 12 anos!) que dificilmente será ultrapassada. A prática democrática a que nos foi habituando não encaixa em nenhuma teoria e dificilmente se encontrará noutro município. Grave é registarmos que a prática desta senhora alterou profundamente modos de estar e fazer enraizados na tradição do nosso concelho (antes vermelho e com capacidade reivindicativa)e promoveu a uma total ausência de vontade colectiva.
Quando leio as actas das reuniões da Câmara (verdadeiros romances!)- Experimente a ler as Actas das reuniões das Câmaras de Portimão, Albufeira, Lagoa e veja a diferença!), - facilmente recordo alguns romances que relatam as relações "quase feudais" do Alentejo dos anos 40/50 do século XX, as relações entre latifundiários e jornaleiros ...
Serve isto para dizer que, um poder local que fomenta o servilismo, não é poder local. Um poder local que usa a dependência económica das associações locais para as colocar umas contra as outras, não é poder local... Um poder local que assume todas as dinâmicas locais (Por isso assim estamos !) não é poder local. Um poder local que se entende como dinástco não é poder local.
Gabo-lhe a paciência para aguentar tanta parvoice junta... Gabo-lhe a paciência ... de ouvir mentiras atrás de mentiras daquela boquinha escarlate.
Nesta altura do campeonato, apetece-me desejar que "mudem as moscas, mesmo que a ...... se mantenha".
Não há pachora!

Anónimo disse...

Tem que haver pachorra,porque a justiça acabará por triunfar, mesmo que atrasada.
Vejam as misérias de outras Autarquias, como por exemplo Felgueiras.
É preciso dar tempo ao tempo. Infelizmente, neste pobre e saqueado País tudo funciona mal e a passo de caracol.