28.9.07

Espaço Informativo (actualizado)

Deixo ficar referência a alguns dos eventos ou notícias sobre o nosso concelho,
já com actualização em 1 de Outubro :
Até à próxima quarta-feira decorrem as inscrições para a X Subida Internacional do Rio Arade em Canoagem que se realiza no sábado, dia 6 de Outubro (vejam pormenores no Região-Sul).
- Quinta-feira, dia 4 de Outubro, pelas 10 horas, está prevista, e suportada por transporte de aluguer, uma deslocação a Lisboa de todos aqueles que se pretendam manifestar e solidarizar com a luta dos munícipes contra o traçado da linha de muito alta tensão pelo nosso concelho (mais informações pela Comissão de Moradores de Vale Fuzeiros através do telem. 965012305 e, agora no Barlavento on-line de dia 3 de Outubro).
- Também no dia 4, pelas 21.00 horas, no adro da Igreja Matriz, a Junta de Freguesia de São Bartolomeu de Messines convida a assistir à peça de teatro "O Processo do Guerrilheiro", pelo grupo de teatro Penedo Grande. No dia seguinte, 5 de Outubro, realiza-se uma conferência pelo Professor Doutor António Monteiro Cardoso sob o título "A Guerra Civil e a Guerrilha do Remexido", pelas 21.00 horas, na sede da Junta de Freguesia.
- Em homenagem ao Dia da Música que se comemora hoje, mas não só por isso, também por ser um local do meu especial agrado, fica a informação do programa musical de fim-de-semana neste belo espaço do Café Inglês, ao castelo:
Sexta 05 Outubro às 20h30 - Tuniko Goulart a solo
Sábado 06 Outubro às 20h30 - Hoedy´s Jazz Laundry
Domingo 07 Outubro às 15h. - Cristina Afonso Band
blues, ballads & jazz
------------------------------------------------
- Amanhã, pelas 6.00 h da manhã no Centro Cinegético, estarão os voluntários que a Associação Viver Serra conseguiu reunir para realizar o censo dos veados (Cervus elaphus) existentes na Serra de Silves.
- Amanhã também, na Sala de Colóquios do Museu Municipal de Arqueologia, inicia-se o curso de formação dirigido por Santiago Macias (Mértola) sobre Arqueologia e Urbanismo no Gharb al-Andalus e que decorre entre 28 e 29 de Setembro de 2007.
- No dia 6 de Outubro realiza-se a X Subida Internacional do Rio Arade.
- Nos dias 25 a 27 de Outubro de 2007, na Fissul, o 5º Encontro de Arqueologia do Algarve.
- Na Igreja da Misericórdia de Silves continua patente a exposição fotográfica "Perspectivas".
- Do director do jornal Barlavento, Helder Nunes, a opinião sobre a situação da passagem da alta tensão no concelho.
- No Barlavento on-line, a notícia de uma iniciativa filatélica conjunta por parte de Portugal e Marrocos, tendo como tema a interacção cultural. O selo a lançar em Marrocos apresenta o Castelo de Silves.
- No dia 13 de Outubro, sob o mote “Poder Político e Sociedade Civil” e “Sociedade Civil”, a Associação de Estudos e Defesa do Património Histórico-Cultural de Silves (AEDPHCS) realiza a sétima edição das suas jornadas no Auditório do Instituto Superior Jean Piaget de Silves.
- Em Messines, enquanto se mantem a exposição sobre o Remexido, teremos a peça de teatro "O Processo do Guerrilheiro", pelo grupo de teatro Penedo Grande, no dia 4 de Outubro, pelas 21 horas, no adro da Igreja Matriz; e no dia 5 de Outubro, uma conferência pelo Professor Doutor António Monteiro Cardoso, "A Guerra Civil e a Guerrilha do Remexido", pelas 21 horas, na sede da Junta de Freguesia.
- Pela forma como a maioria camarária tratou o caso de Vale Fuzeiros, temos a notícia da queixa apresentada pelos vereadores do PS à IGAT (Barlavento on-line).
- E para terminar, uma daquelas notícias provavelmente saídas do gabinete de Imprensa da CMS, que primam pela "velocidade", já que são notícia ainda antes de serem aprovadas pelo órgão executivo, isto é, pelo plenário camarário. Publicada no Barlavento on-line no dia 25, foi colocada a deliberação e aprovada na reunião dia 26. Pormenores, dirão alguns, "falta de chá" ou de curialidade política, diria eu.

11 comentários:

Maria Portugal disse...

Senhor Vereador,
Admiro o seu blog, que é dos silvenses, um dos mais interessantes, com muita informação sobre o concelho e a nossa Câmara.
Estranho é que, enquanto Vereador que - julgo - apesar de eleito pelos comunistas, deve trabalhar em prol do munícipio e dos munícipes.
Ora, por vezes, o Senhor Vereador parece aborrecido... E divulga informação incompleta que, dado o conhecimento que tenho do seu carácter, só pode ser por desconher todo o assunto que trata. Veja lá, se não tem na Câmara informação sobre os editais, lá por causa da electricidade, contrariamente ao que diz no seu blog ao citar o jornal Correio da Manhã?
Não leve a mal este reparo, Senhor Vereador.
Beijinhos

Manuel Ramos disse...

Desculpe, mas não entendi. A que editais se refere? Aos que deveriam divulgar a abertura da consulta pública da linha de alta tensão? Em que post fiz (diga-me a data, por favor)essa referência? Os editais que conheço foram remetidos pela própria Direcção Geral de Energia em 29 Dez. de 2006 junto com a lista dos proprietários, um perfil da linha e uma planta parcelar. Os éditos eram para serem afixados o que, salvo melhor opinião, não foi feito na altura em que se publicou no DR, em 19 de Janeiro. Éditos não colocados, acabam por não o ser, não é?! Mas volto a pedir-lhe: quando fiz o referido comentário?

maria lúcia disse...

Caro Manuel Ramos,
Neste seu "Espaço Informativo" não consta nada que se relacione com o Dia Internacional da Música, que hoje se comemora.
Ora aconteceu que ontem, ao visitar um blogue que tinha início com um conto e uma linda canção do Carlos Mendes, fui remetida para um tempo algo distante, em que eu era jovem, a canção estava em voga e havia pouco tinha tomado conta de novas funções, na Contabilidade.
Sempre preferi as letras aos números, mas, por "heroína do destino", como diria um ex-presidente, os números vinham ter comigo, no bom sentido do termo, porque as cifras nunca se me colaram aos dedos.
Eram tempos mais saudáveis, porque puros nunca foram, mas em que as pessoas, podendo embora não ser reconhecidas, também não eram castigadas por tentarem fazer e dar o seu melhor no desempenho das suas funções.
E lembrei-me de duas formas opostas, entre outras, de os empreiteiros e os fornecedores me pedirem o seu dinheiro:
- um dia um empreiteiro, quando lhe pus as ordens de pagamento em cima do balcão, devolveu-mas fazendo-as deslizar sobre o mesmo, dizendo-me:"o que está por baixo é para si". Eu levantei-as, vi um envelope algo volumoso, e respondi-lhe que o tirasse de lá, porque não o ia aceitar, ao que ele acrescentou que era "a paga" pelo meu trabalho. Disse-lhe que essa me era retribuída no final do mês, e que, se não restirasse o envelope, ele ficaria a descoberto em cima do balcão. Andámos no jogo do empurra, até que o homem, envergonhado, o guardou pedindo desculpa, porque não esperava esta minha reacção. Até aí, eu não lhe tinha prestado qualquer favor. A seguir, não sei quais as contrapartidas que iria exigir. (Só fiquei com uma curiosidade: não saber qual era o meu preço!).
- um fornecedor, chegava junto do balcão e cantava: "Amélia dos olhos doces...". Eu derretia-me toda, ria, mas ele recebia, como toda a gente, quando as ordens de pagamento estavam processadas e assinadas, porque o dinheiro sempre ia havendo.
Hoje, Dia Internacional da Música, esta pode não ser a melhor canção para o ilustrar, mas chorei ao ouvi-la, porque naqueles tempos a música era outra...

Manuel Ramos disse...

Penitencio-me pelo facto, cara Maria Lúcia, mas são tantos os dias comemorativos etantas as coisas que me absorvem que algo fica sempre esquecido. Mas é para isso também que há os comentários, para as pessoas participarem, informarem e mutuamente se esclarecerem.
Mas fica a fundamental pergunta: houve no concelho alguma actividade relacionada com esta comemoração que não tenha referido?

maria lúcia disse...

Ora se houve alguma actividade no concelho relacionada com o Dia Internacional da Música, eu não dei por ela. E calculo que se a houvesse, aqui seria referida. Daí o meu comentário.
A propósito, as que mencionou agora acima onde se realizam?
E já agora uma brincadeira, sem ofensa: se qualquer dia o vir candidato pelo PPM, não me vou admirar nada: então agora anda aos abraços com um Bragança e aos beijos com uma Portugal? Quem tal diria! E esta, hem???

Manuel Ramos disse...

Peço desculpas por ter acabado por omitir o espaço onde se realizam os concertos que referi. Irei corrigir. São no Café Inglês, ao castelo.
Se acha que foram beijos e abraços o que devolvi às pessoas que refere, além do respeito que devo a todos os que se me dirigem, pois bem, entenda assim.

maria lúcia disse...

Eu avisei que era só a brincar!...

silvense curiosa disse...

Como eu já calculava, o meu último comentário à sua postagem de 13/09, Alta Tensão nas Passadeiras, como fica já muito afastado, penso eu que por isso, não obteve resposta. Aqui, embora um pouco deslocado, e daí talvez não, porque se trata de um evento relativo ao concelho, embora não previsto até 1 de Outubro, não vai ter desculpa para não o ver.
Afinal, como eu já tinha previsto, era só uma questão de aguardar que as TVs tivessem oportunidade de noticiar a "Alta Tensão em Vale Fuzeiros". Ora, o que veio dar o empurrão, tanto aos habitantes daquele sítio como aos Sintrenses? Precisamente o Acórdão do STA, que a REN teima em não cumprir. Foram de autocarro a Lisboa (eu, continuo falando pessoalmente, acredito mais nesta forma de manifestação do que no buzinão), juntaram-se em frente à REN, e acabaram por ser recebidos pelo presidente da mesma, embora esta os remetesse para o Ambiente. Segundo o Presidente da J.F.Messines, é mesmo para lá que vão. Vi também o Presidente da J.F.Silves, mas não o Sr. Vereador. Não acredito que tenha sido por falta de solidariedade...

Manuel Ramos disse...

Não, não foi por isso, não tire conclusões apressadas. Foi pura e simplesmente por que nada tinha a dizer e não descortinei nenhuma pergunta directa. Não tenho que responder a todos os comentários. Mas respondo à sua ironia, sobre a falta de solidariedade: fique sabendo que embora não tenha estado fisicamente presente,por impedimento pessoal,também trabalho, estive sempre ao corrente do que foi acontecendo e aqui no blogue dei eco disse. Aliás, quando deixou o seu comentário, já eu 20 minutos antes colocava notícia do assunto e ligação ao telejornal que da manifestação deu eco.
Acho que isso é, também, uma forma de solidariedade, não acha?

silvense curiosa disse...

O que o fez chegar à conclusão de que a referência à falta de solidariedade foi uma ironia? Não estava na minha mente, foi má interpretação sua!

Manuel Ramos disse...

Por nao ter pensado antes na senhora presidente da câmara. Essa sim, tinha como obrigaçao ter estado presente, depois das promessas que fez aos moradores de Vale Fuzeiros, inclusive disponibilizar o autocarro que afinal as juntas de freguesia acabaram por pagar.
A falta de acentuaçao adequada tem explicaçao solidaria com a minha ausência na referida manifestaçao: o facto de estar fora de Portugal.